sexta-feira, 13 de julho de 2007

Receitas - como decifrar esse mistério

Eu recebo muitas mensagens pedindo ajuda para decifrar receitas. Hoje, a Samantha e Sophia, além da Jane me pediram ajuda para entender receitas. E aqui vai a resposta para elas e para quem mais tem a mesma dificuldade.

As nossas receitas, me refiro às receitas em português, são mesmo bem complicadinhas. Mas é uma questão de se acostumar com os termos e as abreviações. Precisa ter muita paciência no começo, e não se incomodar de ler a receita várias vezes e, se preciso, desmanchar e refazer até ficar bom. Neste ponto me lembro de um post recente da Solange no Mon Tricot, no qual ela fala da satisfação que a tricoteira (ou crocheteira) deve ter no processo de fazer os trabalhos e não apenas querer ver o projeto pronto. Ela tem toda razão! Na verdade, o prazer de tricotar está, pelo menos para mim, totalmente relacionado com o fazer. Pode parecer loucura, mas esse gostar de fazer é o que me inspira, por isso não me contento com os projetos muito simples - gosto dos pontos elaborados, das receitas detalhadas, dos desafios. Essa é a motivação para aprender, tentar, criar, inventar. E foi essa motivação que me fez decifrar os mistérios das receitas.
As nossas receitas são mal elaboradas, faltam detalhes, falta informação, sobra descuido com a leitora e descompromisso com a arte do tricô. Isso, porque para publicar uma receita de qualidade é preciso investir em pessoas que elaborem, que desenvolvam técnicas, que tenham conhecimento de moda e acima de tudo, que tenham bom gosto... isso tem um custo alto, e as editoras não estão interessadas em investir nisso. Sabe por que? Porque eles dizem que não vende! É a mesma coisa com as lãs, com as agulhas, com os acessórios, enfim, ainda não descobriram o imenso potencial deste mercado no Brasil.

Enquanto isso, estamos nós órfãs, tentando fazer trabalhos manuais de qualidade. Se voce quiser se atualizar, procure informação nos vários blogs – esta é a verdadeira fonte de informação sobre tricô. Não temos livros, não temos revistas, não temos encontros, nem feiras, mas temos os blogs!

Voltando à vaca fria: vamos decifar as receitas.

Em todas as receitas, primeiro são apresentados o material necessário e os pontos empregados. Faça uma amostra com os pontos empregados. Coloque 20 pontos na agulha e tricote umas 4 carreiras em meia no direito e tricô no avesso ou faça 2 cordões de tricô (trico no direito e no avesso). Isso porque as primeiras carreiras são mais difíceis de serem tricotadas, assim quando voce começar a fazer o ponto empregado no seu projeto, voce já vai ter uma pequena base (vamos chamar assim) sobre a qual vai trabalhar. Nesta amostra, voce vai treinar o ponto empregado. Se for preciso desmanchar, isso não vai comprometer o resultado final. Tricote o ponto empregado por umas 20 carreiras (ou mais) até que voce fique familiarizada com o ponto e esteja confiante para começar o seu projeto, e arremate. Meça a amostra (largura e comprimento) e compare com as medidas dadas na amostra da receita. Se for preciso troque de agulha, até que a sua amostra tenha a mesma medida da amostra da receita. Vale a pena ter este trabalho antes de começar – acredite em mim!

Vamos às abreviações:

p = ponto(s)

ag = agulhas

rem = remate (faça 2 pontos juntos em meia ou em tricô, volte o ponto que ficou na agulha direita para a agulha esquerda, e faça este ponto junto com o próximo que está na agulha esquerda, e repita este processo até rematar o número de pontos indicado na receita)

Vou dar um exemplo clássico de remate para as cavas. Na receita está escrito assim:

Rem. de cada lado a cada 2 carr.: 4 p, 3 p, 2 p, e 1 p.

Traduzindo:

Com o trabalho no direito, remate (faça 2 pontos juntos em meia ou em tricô, volte o ponto que ficou na agulha direita para a agulha esquerda, e faça este ponto junto com o próximo que está na agulha esquerda, e repita este processo até rematar o número de pontos indicado na receita) 4 pontos no início e 4 pontos no fim da carreira. Próxima carreira: tricote de acordo com o ponto sem diminuição (remate). Próxima carreira: com o trabalho no direito, remate 3 pontos no início e 3 pontos no fim da carreira. O avesso, voce já sabe: tricote sem diminuição. Próxima carreira: com o trabalho no direito, remate 2 pontos no início e 23 pontos no fim da carreira. O avesso, sem diminuição. Próxima carreira: com o trabalho no direito, remate 2 pontos no início e 2 pontos no fim da carreira. O avesso, sem diminuição. Próxima carreira: com o trabalho no direito, remate 1 ponto no início e 1 ponto no fim da carreira.

Outro exemplo de diminuição:

Para o decote rem. à direita cada 10 carr.: 1 p (7v)

Traduzindo:

Com o direito do trabalho voltado para voce, ou seja, sua próxima carreira será tricotada no direito do trabalho, remate 1 ponto no começo do trabalho (faça 2 pontos juntos em meia ou em tricô) e termine a carreira conforme o ponto do seu trabalho. A partir da próxima carreira (avesso) voce vai começar a contar 10 carreiras. Depois de tricotar 9 carreiras, a 10ª. Carreira será no direito do trabalho novamente. Comece esta 10ª. Carreira arrematando mais 1 ponto. Repita este processo por mais 5 vezes. Serão 7 pontos dimunuidos no total. Ou seja, voce vai tricotar 70 carreiras, diminuindo 1 ponto a cada 10 carreiras.

Agora um exemplo de aumento de pontos:

Aum. à direita cada 2 carr.: 4 p (3v) e 3 p (4 v).

Traduzindo:

Com o direito do trabalho voltado para voce, ou seja, sua próxima carreira será tricotada no direito do trabalho, aumente 4 pontos no começo do trabalho (aqui voce pode usar a mesma técnica para colocar os pontos na agulha, para começar o trabalho). No avesso tricote sem aumentos. No direito novamente aumente 4 pontos no início da carreira. Avesso sem aumento, e mais 4 aumentos no início da próxima carreira (direito). Faça o mesmo processo, desta vez aumentando 3 pontos no início das carreiras do direito, repetindo este processo por mais 3 vezes.

Será que fui clara? ... espero ter ajudado!

.
.

Jane, me dá o endereço do seu blog.

6 comentários:

Solange disse...

Adorei, Claudia!

Anônimo disse...

Achei maravilhoso seu blog com dicas e trabalhos lindos. Gostaria de saber de você pode me enviar a receita e a lã usada na linda bolsa postada em 21/02.Meu e-mail
elda@evie.com.br
Desde já obrigada.
Bjs. Elda

Jane disse...

Oi Claudia,

concordo com você em todos os "pontos". fazer tricot é bom pelo "fazer"e não apwnas para ver pronto, por este motivo me empolgo quando vejo algo diferente daquilo que conheço e já sei fazer.
A glaucia já me deu uma grande ajuda na tradução das abreviaturas, agora vou enfrente no cachecol e em muitas outras coisas que me interessam. Vou adquirir algumas revistas de fora, pois nelas encontramos coisas mais elaboradas e que estimulam a criatividade.
Meu endereço de blogger é o http://fazendoarte-arteira.blogspot.com/ aparece lá, o blog é jovenzinho e por falta de uma câmera ainda não tem muitas fotos do que fiz e faço, mas vou solucionar isto em breve.
Beijos

Lucia disse...

Perfeito este post!
ajuda muito, porque realmente as revistas brasileiras, ninguém merce, comprei uma outro dia e quase voltei a banca devolver... nem tive coragem de tentar fazera blusa da capa que tanto tinha gostado, mas é assim mesmo, eu voltei a fazer tricô a muito pouco tempo, logo vou estar fazendo trabalhos como esses maravilhosos que sempre vejo no seu blog!
beijocas

Anônimo disse...

Olá Claudia, achei muito legal esse tópico traduzindo a linguagem usada pelas receitas porque quando eu comecei a tricotar, tive que aprender errando e refazendo.
Porém, eu confesso que estou desistindo de utilizar receitas nacionais. Fico cada vez mais frustrada com a qualidade das receitas e, por usar um tamanho pequeno (38), quase não encontro receitas para mim.
Concordo com vc que a motivação de tricotar é o desafio, e agora estou me aventurando nas receitas em inglês. É maravilhoso encontrar um mundo de informações e produtos disponíveis, pena que o custo seja tão elevado.
Bom, blá blá blá à parte, eu realmente gosto muuuito do seu blog, e o li inteiro (desde os primórdios).
Um grande abraço
Aline
alinefranciosi@hotmail.com

Anônimo disse...

Ola! Ana estou te visitando hoje e adorei te conhecer me explique esse cordoes de tricor ,direito e contado como um cordão e avesso como outro cordão isso ja teria quantas carreira? Por favor me explique meu e-mail www.normamiguel@bol.com.br.

abraços